Quarta-feira, 29 de Fevereiro de 2012

Tal como combinado, aqui fica o lembrete no sentido de se organizarem para a nossa sessão de discussão a distância na próxima sexta-feira.

No sentido de agilizar, do ponto de vista técnico, as coisas julgo que poderemos usar o skype.

Venho ainda propor que a sessão se realize da parte da manhã e proponho a seguinte escala:

09h30-10h00: Grupo 1
10h00-10h30: Grupo 2
10h30-11h00: Grupo 3

Por favor reajam, em comentário a este post, indicando a vossa concordância/discordância com o horário apresentado.

Continuação de bom trabalho!


Arquivado em: , , ,


Domingo, 26 de Fevereiro de 2012

 

Os livros digitais estão a ganhar terreno e a começar a fazer parte do quotidiano de algumas escolas (ver o exemplo do caso de França em que foram distribuídos iPads aos alunos do 6º ano).

Por outro lado é-nos descrita uma outra situação educativa em que é utilizada a biblioteca itinerante designada por Biblioburro.

Em jeito de provocação, e como último post , o grupo 1 partilha com todos, as seguintes questões:  

Será que a eficácia da aprendizagem depende da quantidade de tecnologia utilizada/distribuída?

Qual é o papel do professor nestas duas realidades distintas?

Qual a importância da criatividade no processo de ensino aprendizagem?

 



aldinacrodrigues às 23:57 |
editado por lpedro em 27/02/2012 às 10:10link do post | comentar | ver comentários (13)
adicionar aos favoritos

Quinta-feira, 23 de Fevereiro de 2012

Cabendo ao nosso grupo (1) uma atenção focalizada no papel do professor/formador e nas mudanças que se operam ao nível cognitivo e da sua função pedagógica, propomos agora uma reflexão sobre a forma como se deve integrar e utilizar a tecnologia em contexto de ensino e aprendizagem. No fundo, convidar-vos a juntarem-se a este “emaranhado” interessante de ideias/problemas que este vídeo suscita, tais como:

- que perfil a adotar perante alunos com necessidades tão diversas?

- como orientar os alunos para aprendizagens significativas ?

Parece-nos que uma das soluções passa pela estratégia do “Project-based learning”, a partir do qual se tenta estimular situações reais/simuladas de contextos de aprendizagem de índole construtiva e colaborativa, intra e inter grupos, colocando o aluno/formando no centro do seu processo de aprendizagem.

Isto levanta a questão da concessão de autonomia e liberdade de ação ao aluno mas, por outro lado, preconiza igualmente um perfil do professor muito diferente daquele que se continua a difundir. Mas como formar/atualizar os professores no sentido de assumirem o papel do ”inovador”, “iluminador”, “motivador”, “facilitador”? Que novas competências a adquirir enquanto professor do século XXI?

 



carlaponte às 01:29 |
editado por lpedro em 25/02/2012 às 14:27link do post | comentar | ver comentários (14)
adicionar aos favoritos

Quarta-feira, 22 de Fevereiro de 2012

 Caros colegas,  

O grupo 2 reuniu-se e discutiu a questão da parte colaborativa da nossa Wiki e da planificação da ação de formação e chegou às seguintes conclusões:

É preciso decidir qual e a modalidade da ação a ser dinamizada por todos e definir o número de horas para a sua operacionalização. 

É necessário que nos reunamos em plenário ou os porta-vozes de cada grupo, para que se decida quais os conteúdos-chave a serem desenvolvidos nos tópicos comuns da Wiki. O nosso grupo já fez algumas propostas, indicadas na página inicial da Wiki.

 

Enviámos desde já o seguinte mail ao professor:

 

"Estamos com algumas dúvidas em relação à modalidade e ao número de horas da ação de formação.

Após leitura da legislação e discussão em grupo, achámos por bem limitar a modalidade a uma oficina de formação ou curso de formação, e as horas entre as 25h e as 50h, contudo necessitávamos da sua opinião para estruturar a ação de acordo com a opção tomada."

 

Bom trabalho,

Anabela Jesus

Paulo Duarte

Regina Canelas

Rui Soares




Segunda-feira, 20 de Fevereiro de 2012

"A sala de aula interativa seria o ambiente em que o professor interrompe a tradição do falar/ditar, deixando de identificar-se como o contador de histórias, e adota uma postura semelhante a do designer de software interativo. Ele constrói um conjunto de territórios a serem explorados pelos alunos e disponibiliza coautoria e múltiplas conexões, permitindo que o aluno também faça por si mesmo. (...) O aluno, por sua vez, passa de espectador passivo a ator situado num jogo de preferências, de opções, de desejos, de amores, de ódios e de estratégias, podendo ser emissor e receptor no processo de intercompreensão. E a educação pode deixar de ser um produto para se tornar processo de troca de ações que cria conhecimentos e não apenas os reproduz" 

(Silva, 2002, in Materiais Didáticos, 2005, p. 60).

 

Nesta perspetiva, a formação de professores, além do domínio prático das tecnologias, deve orientar-se para a transformação das práticas pedagógicas, de modo a fomentar a criatividade, a colaboração, o espírito crítico e aprendizagens significativas. Como enquadrar nela a prevenção dos riscos e o aproveitamento das potencialidades das tecnologias digitais no desenvolvimento dessas práticas?

 

 

 




Domingo, 19 de Fevereiro de 2012

Viva!


O último vídeo que o grupo 2 aqui publica para discussão fala de uma temática polémica, no entanto, cada vez mais relevante - plágio. Tal como os alunos entrevistados indicam, a informação ao dispor dos nossos alunos na rede é tanta que se torna difícil resistir à tentação. Outra das razões apontadas pelos alunos para plagiar prende-se com o facto de não terem confiança nas suas próprias capacidades e por ser mais fácil (novamente, a ideia do facilitismo) obter melhores notas desta forma. Um dos alunos relembra que, atualmente, há uma imensidão de fontes de informação e tal facto dificulta todo o processo. Daí, por vezes, o plágio nem sequer é intencional. Da visualização do vídeo surgiu-nos de imediato uma questão: "Que estratégias têm posto em ação para limitar o plágio dos vossos alunos?"


Todavia, a questão mais importante, para o caso, está relacionada com as repercussões do plágio na aprendizagem e nas competências cognitivas dos nossos alunos. Deixamos aqui duas citações dos alunos que nos parecem interessantes:

“The repercussions are really, really harsh; it’s just not worth it.”
“It’s very important to create our thinking, our own paper. If we just copy and paste, we study nothing.”

 

 




Quinta-feira, 16 de Fevereiro de 2012

Olá a todos.

A sessão de amanhã mantém-se mas, pelos vistos, terá de ser de manhã, certo?
O problema é que já tenho coisas agendadas para a parte da manhã e, por esse motivo, terá de ocorrer das 9h30-11h30.
Nesse sentido, proponho que nos reunamos com o seguinte horário:

09h30-10h00: Grupo 1
10h00-10h30: Grupo 2
10h30-11h00: Grupo 3

Encontramo-nos junto ao bar (não consegui ainda arranjar sala).
Por favor, reajam a esta proposta.


Arquivado em: , ,


 

Depois de uma discussão sobre jogos e avaliação no ensino propomos uma reflexão sobre a utilização das tecnologias (de um modo geral) na aprendizagem do aluno.

 

Este vídeo que vos trazemos é de uma aluna do 7º ano de escolaridade e parece-nos extremamente interessante a utilização que faz das tecnologias, no entanto deixa-nos algumas questões.

Em que medida a utilização das tecnologias influência as estruturas cognitivas das nossas crianças e jovens? Da vossa experiência e leituras, quais vos parecem ser as vantagens e/ou desvantagens da utilização destas ferramentas?

Por outro lado, quais as mudanças necessárias no papel do aluno em contextos de aprendizagem que envolvam a construção/dinamização de um PLE?

 

 




Segunda-feira, 13 de Fevereiro de 2012

Tal como prometido, aqui fica o link para a página wiki em que desenvovlerão o vosso trabalho!

Boas discussões e boa escrita :)


Arquivado em: , ,


Domingo, 12 de Fevereiro de 2012

Viva, após as discussões da aula de 6ª feira, alguns temas ficaram a borbulhar nas nossas cabeças. Um desses temas é "jogos". Nesse sentido trazemo-vos um vídeo de James Gee, talvez já conhecido por alguns de vós, sobre jogos e educação.

Teoria de aprendizagem imbuída nos jogos digitais como paradigma de uma forma de aprender que rivaliza e coloca em questão as práticas predominantes em educação. A avaliação como uma questão central.

 A questão que vos deixamos é a seguinte:

Jogar: uma nova forma de aprender e uma nova deriva no processo de avaliação?

  

 




Sobre mim
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Artigos recentes

Avaliação MAC

Design thinking

Trabalho Individual

Critical thinking

Sessão de discussão a dis...

Livros Digitais. O Futuro...

Teaching in the 21st cent...

Wiki e trabalho da turma

A formação de professores

Plágio na era digital

Arquivo

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Arquivado em

2011_12

abertura

actividades

agradecimento

aha

alerta

aprendizagem

aprendizagens significativas

apresentações

áreas

arquiteturas cognitivas

avaliação

aviso

a_época_de_futebol_acabou_ontem

blogroll

bolsas

box

ciências sociais

cognição

colaboração

comentários

conferência

construtivismo

conteúdo

contributo

convergência

credenciais

critérios

critical

data

datas

deadline

debriefing

design thinking

distância

documentos

dúvida

educação

educação_inclusiva

ensino

era digital

esclarecimentos

espírito crítico

estratégias

estrutura

estudo_de_caso

et_voilá

fct

formação de professores

gbl

gee

geert

grupo 3

grupo2

grupo3

guiões

hello

hora

independence

iniciais

início

innovation

intellectual

interacção

investigação

james

jogos

keynote

layout

lidia

local

mac

margarida

metodologias

mie

mission_completed

mme

mmed

mmedu

motivation

mudanças

multimédia

negociação

notas

oliveira

organização

o_campeonato_acabou_para_o_scp

o_verdadeiro_post

ple

programa

progresso

sapo_campus

seminário

sessão_presencial

shutting_off_problems

sime

tecnologia

trabalho

tumblr

wiki

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds