Segunda-feira, 6 de Fevereiro de 2012

Bem-vindos a mais uma edição da UC de Multimédia e Arquiteturas Cognitivas. Espero que esta UC vos ajude a questionar alguns aspetos essencias que, do ponto de vista conceptual, se encontram numa área cinzenta de interseção entre a tecnologia e a educação.

Este blog será o espaço digitial privilegiado desta UC. Por esse motivo, quem ainda não está registado no Sapo Campus deve fazê-lo para poder participar.

A primeira sessão presencial será na próxima 6ª feira, dia 10.02, às 9h30, na sala 21.1.24 (sala de reuniões do labs.sapo no Departamento de Comunicação e Arte).

Para já, e como início das hostilidades, gostaria que vissem o vídeo abaixo e que partilhassem a vossa posição pessoal sobre o que é discutido (tendo em conta a vossa experiência, i.e., sem consultas para fundamentar o que vão escrever), sob a forma de um comentário a este post .

Boas discussões!

 

The Colbert Report
Get More: Colbert Report Full Episodes,Political Humor & Satire Blog,Video Archive


Arquivado em: , , , ,


15 comentários:
De ruisoares65 a 6 de Fevereiro de 2012 às 16:00
Boa tarde!
Parece que sou o primeiro a deixar o meu comentário.
A entrevista fala da possibilidade de nos tornarmos superficiais pelo uso da internet.

Segundo o autor entrevistado, a Internet, implicando competências multitarefa, limita o conhecimento concetual mais profundo, a nível do pensamento contemplativo, introspetivo e reflexivo, os quais apenas emergem quando se dirige a atenção para um objeto/acontecimento/ideia.

Partindo daquilo que sei a nível de neurofisiologia, Nicholas Carr poderá não estar muito longe da verdade. Nos últimos anos muito do que se sabia a nível de cérebro foi completamente revolucionado. O tecido nervoso não é uma massa perdulária de células, rigidamente ligadas. As células nervosas são dinâmicas e flexíveis, pelo que podem estabelecer novas conexões nervosas e novas sinapses, em função dos estímulos que recebam, em distintos ambientes.

Deste modo, concordo que a utilização contínua e repetida da Internet, dispersando a atenção do utilizador através de múltiplos ambientes virtuais possa privilegiar determinadas conexões neurais, reduzindo outras. Isto significa forçosamente que a Internet mude fisicamente os nossos cérebros, adaptando-se ao ambiente para o qual está a ser operacionalizado (graças ao processo de plasticidade cerebral). As estruturas cerebrais envolvidas em tarefas repetidamente postas em ação, tornam-se mais desenvolvidas que as áreas do cérebro menos ativadas.

A entrevista é, contudo, bastante redutora. Por um lado, porque é conduzida com o propósito de fazer rir as pessoas e, por outro, não esclarece que alternativas poderão ser aplicadas para evitar que um utilizador "viciado" na Internet se torne menos superficial. Estou a lembrar-me que o nosso cérebro gosta de diversidade: caminhar na natureza, conviver com os amigos, saltar à corda, correr, cantarolar, escrever com papel e lápis/caneta, fazer desenhos, ler livros, sorrir, irritar-se de vez em quando, também fazem bem ao cérebro e poderão, nesta perspetiva da plasticidade cerebral, criar conexões nervosas que nos tornem menos superficiais.

Não sei se será a Internet por si a tornar-nos superficiais ou se as pessoas superficiais adoram a Internet. Se for o caso, estou em péssimos lençóis, porque adoro a Internet!!! :D

Rui Soares


De lpedro a 6 de Fevereiro de 2012 às 16:07
Obrigado pelo comentário Rui! A entrevista é, de facto, redutora. Nas aulas vamos aprofundar mais alguns destes aspetos :)


De patricio72 a 7 de Fevereiro de 2012 às 15:18
A questão da superficialidade ser analisada num meio onde as coisas são contadas ao segundo (mundo da televisão), não deixa de ser sintomático dos nossos tempos! O Fast food surgiu por necessidade e pode-se considerar que se alastrou para outras áreas!
Quanto à pretensão do autor de que a internet nos está a "estupidificar", lembro-me de que desde há muito tempo oiço falar que a educação faz algo semelhante às novas gerações! Não sei até que ponto estes fenómenos se estendem e concordo em parte com as posições que alguns defendem, mas devemos salvaguardar uma certa distância! Acontecem mudanças, sempre aconteceram e vão acontecer, sendo preciso avaliar as "perdas" e os "ganhos" para ter um balanço mais fiável da evolução dos tempos.


De artur-ramisio a 7 de Fevereiro de 2012 às 16:38
Olá a todos!
Ontem vi o recado, mas ainda andamos envolvidos nas tarefas das Web 2.0...
Eu creio que há motivos de preocupação relativamente à capacidade para selecionar e destrinçar a quantidade de informação/desinformação que se produz e reproduz através das redes, à tendência para centrar as atenções na operacionalidade das tecnologias em detrimento dos conteúdos e do que está por detrás delas, à superficialidade a que conduz o saltitar de informação para informação sem a maturar.
Fico admirado com a capacidade que muitos dos meus alunos revelam ao conseguirem fazer várias coisas ao mesmo tempo: falar com colegas, pesquisar na net, ouvir música, receber e enviar mensagens no telemóvel…, mas deixam-me preocupado com a dificuldade que têm em ler e escrever de forma mais aprofundada sobre qualquer tema um pouco mais complexo ou que exija reflexão.
Estou convicto que o problema não está, como nunca esteve, nas tecnologias, mas sim na forma como estas são utilizadas. As virtudes democratizantes da Internet e das suas tecnologias mais recentes, como as Web 2.0, só o são se os contextos em que são usadas o proporcionarem, caso contrário, como muitos têm vindo a alertar, tornam-se instrumentos que potenciam todo o tipo de desigualdades (já as estamos a vivenciar). Como diz Manuel Castelles algures n’a sociedade em rede”, as redes são cada vez mais meios de domínio dos que dominam a economia e conhecimentos sobre os que apenas a sabem utilizar para consumir o que os primeiros concebem com essa finalidade.
Não há outro caminho que não seja o de lutar pela igualdade para todos no acesso à educação integral (conhecimentos específicos e cultura geral, princípios, valores humanistas…). Claro, também justiça na repartição da riqueza criada!
Mas não é este caminho que está a ser percorrido, e isso é que é preocupante. Logo, é um dever nosso, como professores, não ir nesta corrente! E contrariá-la!


De jesus-anabela a 7 de Fevereiro de 2012 às 18:58
Boa tarde!

Várias questões importantes são aqui suscitadas. O Rui explicita bem as implicações, em termos da nossa estrutura mental, do tipo de tarefas que habituamos o nosso cérebro a realizar.
E o Ramísio aborda uma questão fundamental, a dificuldade que os professores sentem em estimular o pensamento profundo ou reflexivo nos alunos de hoje. Creio que esta é uma problemática central com a qual nós professores nos debatemos.
Numa abordagem simplista poder-se-ia argumentar que efetivamente se o recurso à internet ou tecnologias digitais favorece a superficialidade de pensamento e até possivelmente potencia a redução das nossas capacidades de multitarefa, então porquê o uso destas tecnologias? Carr esboça a resposta introduzindo a noção de equilíbrio. Parece-me de facto que este princípio é essencial. E o que me parece preocupante é que tendo as tecnologias digitais revolucionado a forma como temos acesso e podemos gerir a informação por um lado e a forma como comunicamos por outro, tal tem levado a que o nosso sistema educativo frequentemente se revele incapaz de incorporar esta revolução tecnológica, uma vez que ela implica reformulações profundas na forma como se aprende e até mesmo na conceptualização do que se entende por aprender.
Face a esta incapacidade o que acontece é que os sujeitos usam estas tecnologias em contextos extra-escolares, por sua conta e risco, revelando-se assim o sistema educativo incapaz de fomentar este princípio de equilíbrio, ao não fazer um uso adequado e profícuo das tecnologias digitais. Parece-me que esta é uma cisão fundamental que não está a ser devidamente tratada e reconhecida.


De lpedro a 7 de Fevereiro de 2012 às 22:17
Obrigado pelo vosso contributo. Alguns dos aspetos que mencionam - responsabilidade do professor, equilíbrio nos usos - são, de facto, importantes e iremos problematizá-los na sessão presencial.


De lfaneves a 7 de Fevereiro de 2012 às 23:30
Boa noite a todos,
O vídeo, como produto oriundo da televisão, pretende primariamente vender o livro. Ao autor caberá destacar a vertente provocatória do texto que redigiu e com isso cativar a atenção dos telespectadores. Ao apresentador um papel mais provocatório. Mas isso não invalida o que foi apresentado e defendido.
De facto, é uma preocupação crescente e quem lida habitualmente com a tecnologia tem aqui um desafio, uma projeção do que poderá ser o nosso comportamento e em que nos poderemos tornar. Limitados? De que forma?
Mas o problema não está na plataforma, no meio, mas sim na forma como a vemos e utilizamos. Vivemos, como aqui já foi dito, num mundo cada vez mais instantâneo, imediato em que a tão aclamada produtividade é também medida na capacidade de multitarefa. Sabe-se que não “funcionamos” em multitarefa mas estamos sempre a tentar e isso cria hábitos complexos e difíceis de reverter.
Concordo com a Anabela quando se reforça a ideia de equilíbrio. Mas numa fase em que o mundo está em constante e acelerada mudança colocam-se novos desafios. Perceber a potencialidade da ferramenta ajuda na sua melhor forma de utilização.
A psicologia diz que não há vícios, há viciados. E na Internet também há a potencialidade para comportamentos aditivos que condicionam as nossas capacidades cognitivas pois focalizamos cada vez mais nas ferramentas e na novidade e não no aprofundar dos temas e na reflexão (veja-se o exemplo apresentado no vídeo do reddit). É a tecnologia “pervasiva” na sua vertente menos positiva.
Na área educativa esta problemática é cada vez mais visível e desafiante para a comunidade.

Deixo aqui uma “provocação”:

“Mudam-se os tempos, mudam-se as vontades,
muda-se o ser, muda-se a confiança;
todo o Mundo é composto de mudança,
tomando sempre novas qualidades.

Continuamente vemos novidades,
diferentes em tudo da esperança;
do mal ficam as mágoas na lembrança,
e do bem (se algum houve), as saudades.”

(…)

Luís de Camões


De fpcr a 8 de Fevereiro de 2012 às 00:07
Olá a todos!
Partilho da opinião dos colegas quanto ao facto de que o recurso à internet e às tecnologias digitais tem vindo a favorecer o desenvolvimento de atitudes e modos de pensar e de agir que revelam alguma "superficialidade". Aparentemente assim é, no entanto, penso que sempre houve superficialiade em todos os tempos. O que é superficialidade? Talvez a superficialidade salte mais à vista a quem tem um olhar crítico e distanciado, a quem está de fora, olha de cima e para dentro. A mim, por exemplo, é-me cada vez mais difícil ver televisão. A única forma aceitável de a ver é tentar colocar-me no lugar do realizador e tentar apanhar-lhe os "truques" (perceber o porquê dos ângulos, de um plano e não de outro, das cores, das atmosferas criadas, das mensagens subliminares, daquela fotografia, etc) mas mesmo assim é aborrecida. Deste ponto de vista, posso dizer que a televisão, por ex., exibindo na maior parte das vezes vazios de conteúdo para mim, posso afirmar que o contato com ela não me interessa. Resta-me mudar de canal, tenho essa capacidade e uso-a, e procurar algo melhor ou desligar. Com a internet julgo que acontece algo semelhante, é uma "montra" onde cada um escolhe o que quer ver/ler/ouvir/sentir/fazer... Mas, talvez devido a um excesso de "ruído", à falta de uma cultura geral sólida e à espécie de anestesia coletiva em que hoje se vive, os alunos (e também os cidadãos em geral) não fazem essa escolha entre o que interessa e o que é "lixo". Também é verdade que nem tudo na vida tem de ser sério, cultural, sisudo, etc, a diversão também deve ter o seu lugar. Por outro lado, é importante considerar que os conteúdos da internet e os meios de comunicação social, em geral, obedecendo a entidades privadas, têm como primeiro objetivo o lucro, ainda que à primeira vista não pareça, logo o que mais importa é a audiência e não a qualidade do conteúdo em si. Esta situação é transversal a muitos campos da contemporaneidade, incluindo a arte. Muitos cidadãos não sabem isto, não querem saber ou não lhes interessa.
Os professores já todos notaram a enorme, diria mesmo aflitiva, incapacidade de os alunos do ensino básico (mais notória) estarem concentrados numa tarefa por alguns minutos. A sua atenção "saltita" por várias coisas/assuntos ao mesmo tempo. Por outro lado, como alguém já referiu, a espessura humana (valores, respeito pelo outro, sentido de ética, etc) parece estar a regredir. Relembro o que ouvi há dias de uma criança de 10 anos, perante a imagem (agora comum) de alguém que estava estendido no chão: "fez game over". Quando questionada disse que não era bem isso que queria dizer. Perante isto, forçosamente temos de pensar que o mundo em que vivemos constrói e condiciona a forma de pensar, de falar e de agir, é um facto.
Não tenho uma visão pessimista nem alarmista em relação à internet e às tecnologias (têm aspetos positivos e negativos, como sucedeu com a invenção da fotografia, do cinema, da BD, da rádio, TV, computador...) mas não tenho dúvidas quanto à necessidade de uma verdadeira educação do olhar, do treino da atenção, de uma formação sólida que permita articular saberes, intenções, escolhas, críticas fundamentadas, etc.
Enfim penso que é uma questão complexa mas pertinente (assim como a articulação deste tema com os mecanismos do cérebro-neurociência).
Fernando Rodrigues, professor de Educação Visual.


De carlaponte a 8 de Fevereiro de 2012 às 05:21
Olá a Todos!

Perece que as questões mais pertinentes já aqui foram levantadas pelos meus colegas.
Pessoalmente interessa-me destacar o fator "equilíbrio", pois tudo na vida depende da aplicação dessa proporção. Seja no contexto ambiental, científico, humanístico, relacional, artístico e até no educativo, o estabelecimento de critérios de ação e de avaliação devem pautar-se pelo bom-senso e equilíbrio.

Uma forma de tentarmos integrar as novas ferramentas Web 2.0 de modo eficaz e que não comprometa o desenvolvimento integral do aluno é continuarmos a apostar em problemas cognitivos desafiantes, obrigar a que sejam confrontados com enigmas que potenciem o treino para o questionar, o reinventar e o criar novas formas e caminhos de resolução de problemas, sempre em ambientes propiciadores de concentração e tarefas focalizadas. Esta premissa não colide de maneira nenhuma com a integração das ditas ferramentas de Web social em contexto educativo. Há que tirar partido do melhor que esta nova realidade apresenta e sabê-la gerir, orientar em torno de objetivos bem delineados. Se a internet é apelativa para os alunos , então há que saber integrá-la. A questão não reside no usar ou não usar (pois isso , por mais que nos custe aceitar, foge-nos completamente do nosso poder de decisão) , mas sim no "como" usar ! É aqui que reside, parece-me, a grande controvérsia atual e é também neste campo que a nossa função de professor tem um longo caminho a percorrer...

Para dar continuidade a esta perspetiva e aguçar a polémica, deixo como sugestão um vídeo sobre o conceito de multitasking ". Afinal de contas, estamos mesmo a perder qualidades ?



De carlaponte a 8 de Fevereiro de 2012 às 05:22
Cá vai o vídeo:



De lpedro a 8 de Fevereiro de 2012 às 16:20


De aldinacrodrigues a 8 de Fevereiro de 2012 às 21:55
Olá a todos!

Envio também o meu comentário à pertinência do tema do vídeo apresentado. Sem dúvida que não podemos negar que estamos perante uma sociedade de informação e conhecimento. Cada vez mais a Internet é um espaço onde se concretizam importantes trocas de informações e comunicações, a partir das quais a nossa sociedade atual se constitui como uma complexa comunidade virtual de partilha de experiências, de conhecimentos a vários níveis: quer pessoal, cultural, social e profissional. De acordo com a minha experiência profissional no campo da educação, como nos são colocados novos desafios às nossas práticas letivas num contexto de sala de aula, saliento aqui também a importância da utilização da Internet e do seu equílibrio pedagógico no sistema educativo. Como em tudo, o que for utilizado em demasia pode acarretar problemas. Assim torna-se necessário repensar e refletir sobre a utilização de uma forma equilibrada da Internet no ensino aprendizagem dos alunos. Aliás porque estamos sempre a aprender com a Internet na medida que a mesma permite a utilização de dinâmicas de ensino, no meu entender mais motivadoras. Por exemplo, este tipo de experiência de ensino à distância que estamos a vivenciar no âmbito desta unidade curricular. Eu sinceramente não me estou a imaginar hoje em dia sem Internet! No meu entender, ela é "uma amiga", e ajuda-nos no fator tempo pois permite-nos num curto espaço de tempo a realização das mais diversificadas atividades. No entanto, o nosso problema como profissionais de ensino, é o arranjar de um tempinho para nos sentarmos à frente ao computador. Na minha opinião passamos a maior parte do tempo nas escolas. No contexto de trabalho permite-nos propor aos alunos situações de aprendizagem diversificadas, através das potencialidades das novas tenologias, quebrando as fronteiras espacio-temporais. Na minha disciplina, não muito motivadora para os alunos, a matemática, até a Internet ajuda. Hoje na aula de matemática vamos lá consultar a página do Brip da Porto Editora relativamente aos conteúdos previstos nesta aula; e como sugestão promover a pesquisa dos contributos de um determinado matemático na descoberta de determinados conceitos; numa outra aula: querem participar no concurso do Equamat e do Redemat da Universidade de Aveiro, então vamos lá treinar na aplicação respetiva, e muitas outras situações....
No entanto mais uma vez é necessário propor e utilizar esses recursos de uma forma equilibrada. Como professores temos o papel de mediadores junto dos alunos da utilização de uma forma benéfica da Internet mas por outro lado como educadores de sensibilizar os alunos para os seus perigos e desvantagens se esta não for utilizada de uma forma correta e responsável. Fora da escola, em casa, a família também têm um papel decisivo nesta parte devendo para isso controlar os seus educandos na sua utilização.
Obrigado.


Comentar post

Sobre mim
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Artigos recentes

Avaliação MAC

Design thinking

Trabalho Individual

Critical thinking

Sessão de discussão a dis...

Livros Digitais. O Futuro...

Teaching in the 21st cent...

Wiki e trabalho da turma

A formação de professores

Plágio na era digital

Arquivo

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Arquivado em

2011_12

abertura

actividades

agradecimento

aha

alerta

aprendizagem

aprendizagens significativas

apresentações

áreas

arquiteturas cognitivas

avaliação

aviso

a_época_de_futebol_acabou_ontem

blogroll

bolsas

box

ciências sociais

cognição

colaboração

comentários

conferência

construtivismo

conteúdo

contributo

convergência

credenciais

critérios

critical

data

datas

deadline

debriefing

design thinking

distância

documentos

dúvida

educação

educação_inclusiva

ensino

era digital

esclarecimentos

espírito crítico

estratégias

estrutura

estudo_de_caso

et_voilá

fct

formação de professores

gbl

gee

geert

grupo 3

grupo2

grupo3

guiões

hello

hora

independence

iniciais

início

innovation

intellectual

interacção

investigação

james

jogos

keynote

layout

lidia

local

mac

margarida

metodologias

mie

mission_completed

mme

mmed

mmedu

motivation

mudanças

multimédia

negociação

notas

oliveira

organização

o_campeonato_acabou_para_o_scp

o_verdadeiro_post

ple

programa

progresso

sapo_campus

seminário

sessão_presencial

shutting_off_problems

sime

tecnologia

trabalho

tumblr

wiki

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds