Quinta-feira, 1 de Março de 2012

 Como contribuição do nosso grupo fica aqui este vídeo sobre pensamento crítico que julgamos ser uma boa forma de agir e pensar para quem ensina e para quem aprende.

 

Os princípios defendidos por esta forma de abordagem ajuda-nos na tomada de decisão nos processos de ensino/aprendizagem.

 

Será que o uso da tecnologia condiciona este tipo de pensamento?

 

Beneficia ou constrange a independência intelectual e a capacidade de resolver problemas?

 

Aqui fica uma frase do vídeo para ajudar à reflexão:

- Critical thinking provides each of us with the keys for unlocking our own intellectual independence, leaving us willing and able to explore and solve problems for ourselves.

 

 




4 comentários:
De carlaponte a 2 de Março de 2012 às 10:52
Bom dia!

Sem sombra de dúvida que este é talvez o traço distintivo de uma aprendizagem que se deseja de qualidade e significativa. Mais do que a aquisição de competências e habilidades intelectuais- preconizado pelos "tradicionalistas"/respondendo ao o quê?-, ou até mesmo a socialização dos mais novos para os seus papéis na sociedade atual- defendido pelos "progressivistas"/como resposta ao como?- (Egan, 2008), importa aqui destacar a forma como o processo de aprendizagem se processa. Não incide, assim , tanto no contexto social em que ocorre, embora seja um factor relevante a considerar, mas tenta ir ao cerne neurofisiológico da questão: como é que se produz aprendizagem e por conseguinte, conhecimento? Foca a questão no momento específico do QUANDO? No fundo, a partir de quando é que se estabelece o sentido, quando é que deixamos de estar perante dados alinhados, a serem processados, e tudo isso se converte, num momento específico, em aprendizagem. O recurso ao pensamento crítico estimula momentos de aprendizagem, pois quanto mais momentos de questionamento se proporcionem, maior será a oportunidade de se apresentar soluções/retificações a questões colocadas e, com isso, produzir aprendizagem. Por outro lado, o facto de se interagir criticamente com dados novos e já estudados, de não se cair na atitude de aceitação passiva de toda uma informação transmitida, favorece a renovação intelectual, cultural de uma geração ou sociedade, tornando-a independente quanto baste, de determinados cânones literários, filosóficos, sociais, políticos e económicos. É nesta atitude de uma certa liberdade intelectual que reside a sobrevivência de uma sociedade renovada, pronta a enfrentar os desafios que se vão colocando.
Ora , a tecnologia representa apenas mais um desafio a ser estudado e superado nos tempos que correm. Se olharmos para o uso da tecnologia como apenas um meio em direção a um fim (como já tem sido mencionado em posts anteriores) com certeza que, mais do que nunca, é exigido a cada um de nós esse "critical thinking" no manuseio dessa mesma tecnologia. No fundo, a tecnologia não veio agir como a solução para os problemas pedagógicos , apenas apontar outros caminhos. A decisão por cada um desses caminhos, sua análise e experimentação muito terá a ganhar se se optar por uma atitude de questionamento constante, que, a par com outros aspetos incontornáveis como a criatividade e imaginação permitem construir a base para o pensamento coletivo, sem, no entanto, castrar a individualidade de cada um. Mais do que considerar se é benéfico ou não, deve-se partir do pressuposto de que é necessário um pensamento crítico para uma correta utilização da tecnologia em contexto educativo e não só.


De jesus-anabela a 3 de Março de 2012 às 17:57
Permitam-me a frase que poderá ser entendida como provocadora:
O pensamento crítico precisa ser exercido e não apregoado.

Pessoalmente há uma questão que gostaria de colocar, há momentos em que sinto que vivo em dois mundos distintos, o mundo da escola onde trabalho e o mundo da universidade onde estudo. Bem sei que é da natureza de ambos serem diferentes mas questiono-me se não será possível aproximar mais a realidade das escolas e o estudo no domínio da tecnologia educativa.

Vários autores indicam que no campo da tecnologia educativa há várias áreas onde existe uma tensão entre a retórica e a realidade, operando-se como que num cantinho analítico e sugerem uma mudança de enfoque. Mudança do que se deveria e poderia fazer para o que efetivamente se faz no terreno, claro com repercussões diretas nas práticas educativas.
Vamos lá pensando no que nos é possível fazer...



De aldinacrodrigues a 3 de Março de 2012 às 23:58
Olá!
É importante que o professor e o aluno tenha um pensamento crítico face à utilização da tecnologia no sistema educativo atual. O professor deve ter uma capacidade crítica face a esta mudança de práticas e de ensino e fomentar a aquisição de conhecimentos e o desenvolvimento de capacidades de pensamento crítico dos alunos. Isto para lhes permitir enfrentar as mudanças e participar numa sociedade democrática onde as decisões pessoais e políticas ligadas à ciência e à tecnologia não são isentas de valores e por envolverem, muitas vezes, interesses económicos e sociais.
O uso de capacidades de pensamento crítico permite aos indivíduos terem uma opinião crítica sobre questões científicas, raciocinando logicamente sobre
o tópico em causa de modo a detectar incongruências na argumentação ou no sentido de suspender a tomada de decisão no caso de haver evidência
insuficiente para traçar e sustentar uma conclusão (Claxton, 1991; Aikenhead, 1998).
Por isso considero que a tecnologia não constrange a interdependência inteletual e a capacidade de resolver problemas. A tecnologia é uma ferramenta que ajuda a resolver esses problemas para quem ensina e para quem aprende. Para quem ensina, os professores, cabe a tarefa de propor aos alunos atividades adequadas à utilização da tecnologia, em que esta é vista como um meio para a descoberta, para aexploração e investigação e não como um meio de mero cálculo, mas sim como a resolução de problemas, por exemplo, ao nível do ensino da Matemática. Neste tipo de tarefas o aluno deve ter a capacidade de criticar os resultados e elaborar uma estratégia de resolução do problema, ou seja tem que pensar, pois a tecnologia não lhe a forneçe. Penso que a tecnologia poderá constranger este tipo de pensamento quando o professor não tem a capacidade crítica de propor aos seus alunos atividades com uma estrutura adequada ao uso da tecnologia. Exemplificando o que acontece no ensino de matemática, o professor desta disciplina não poderá porpor ao aluno a realização de uma tarefa que envolva por exmplo só cálculo e a resolução de exercícios mas sim por exemplo, explorar a influência de um determinado parâmetro no gráfico de uma função em vez de apresentar o gráfico de uma dada função. Na primeira situação o aluno não tem que ter pensamento crítico é só utilizar os menus de uma ferramenta tecnológica, a calculadora ou de um programa matemático adequado. Tal significa que, por norma, não se nota um esforço deliberado, por parte do professor, em organizar situações de aprendizagem
com o propósito explícito de levar os alunos a manifestarem e usarem capacidades de pensamento crítico. Provavelmente com o receio de experimentar a mudança, por falta de tempo, mas também, e talvez fale pela minha experiência, porque é muito mais dispendioso e exige um trabalho maior por parte do professor. Os professores continuam a ensinar como foram ensinados e é bastante provável que tenham sido ensinados com uma abordagem transmissiva
(Fitzsimmons e Kerpelman, 1994; Kennedy, 1991; Mestre, 1994; Paul, 1993; Tinker, 1995).
É muito mais fácil ensinar assim do que gerar mudanças nas suas práticas de ensino, de forma a contemplarem o desenvolvimento de capacidades de pensamento crítico dos alunos.
Em conclusão concordo que o pensamento crítico desbloqueia a nossa interdependência inteletual e nos permite resolver os problemas de uma forma mais autónoma.


De regina-canelas a 6 de Março de 2012 às 12:45
Olá a todos!

Correndo o risco de me repetir, tal como já foi dito em vários outros posts e comentários, a capacidade de refletir criticamente é, de facto, essencial num processo de aprendizagem significativa. Não creio que as tecnologias impeçam essa aprendizagem. Aliás, a questão que envolve estas duas vertentes – tecnologias e pensamento crítico – está relacionada com o facto de a tecnologia ser mais uma ferramenta/estratégia ao dispor dos intervenientes no processo educativo.


Comentar post

Sobre mim
Abril 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6
7

8
9
10
11
12
13

15
16
17
18
19
20
21

22
23
24
25
26
27
28

29
30


Artigos recentes

Avaliação MAC

Design thinking

Trabalho Individual

Critical thinking

Sessão de discussão a dis...

Livros Digitais. O Futuro...

Teaching in the 21st cent...

Wiki e trabalho da turma

A formação de professores

Plágio na era digital

Arquivo

Abril 2012

Março 2012

Fevereiro 2012

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Abril 2010

Março 2010

Fevereiro 2010

Arquivado em

2011_12

abertura

actividades

agradecimento

aha

alerta

aprendizagem

aprendizagens significativas

apresentações

áreas

arquiteturas cognitivas

avaliação

aviso

a_época_de_futebol_acabou_ontem

blogroll

bolsas

box

ciências sociais

cognição

colaboração

comentários

conferência

construtivismo

conteúdo

contributo

convergência

credenciais

critérios

critical

data

datas

deadline

debriefing

design thinking

distância

documentos

dúvida

educação

educação_inclusiva

ensino

era digital

esclarecimentos

espírito crítico

estratégias

estrutura

estudo_de_caso

et_voilá

fct

formação de professores

gbl

gee

geert

grupo 3

grupo2

grupo3

guiões

hello

hora

independence

iniciais

início

innovation

intellectual

interacção

investigação

james

jogos

keynote

layout

lidia

local

mac

margarida

metodologias

mie

mission_completed

mme

mmed

mmedu

motivation

mudanças

multimédia

negociação

notas

oliveira

organização

o_campeonato_acabou_para_o_scp

o_verdadeiro_post

ple

programa

progresso

sapo_campus

seminário

sessão_presencial

shutting_off_problems

sime

tecnologia

trabalho

tumblr

wiki

todas as tags

blogs SAPO
subscrever feeds